S. Bento José Labre, peregrino, +1783
(16/04/2016)


S. Bento José Labre

Filho de um camponês do Artois (França), Bento nasceu em 1748, sendo o mais velho de 15 filhos, e, aparentemente, fracassou em tudo o que desejava. Apesar disso, conseguiu manter sempre a paz no seu coração.As portas fechavam-se diante dele, uma após outras, mas ele nunca desesperou. Recomeçava o seu caminho, dormindo onde calhava, vivendo do que lhe davam, continuando a procurar novos caminhos para atingir o seu Objectivo.Submisso a todos, primeiro a seus pais, depois, no seu apelo interior, aos responsáveis dos mosteiros a cujas portas batia, aos seus confessores, aos acontecimentos, à vontade de Deus que, continuamente, lhe ia mudando os caminhos, Bento continuou a avançar humildemente, silenciosamente.Sem dar nas vistas, atravessou a Europa com o seu saco e o seu crucifixo ao peito, percorrendo 30.000 quilómetros, pasando de mosteiro em mosteiro, de santuário em santuário, até se estabelecer em Roma, donde sairia várias vezes para ir até Loreto, antes de morrer no despojamento total.Deste modo, S. Bento José Labre, em pleno "século das luzes", pobre e desprendido de tudo e principalmente de si mesmo, considerado um peregrino ou mesmo como um mendigo entre tantos outros, sujo e cheio de parasitas, foi aclamado como santo quando morreu em Roma, com 35 anos.Bento Labre foi declarado "beato" em 1860 e "santo" em 1881. É o patrono dos deslocados e das pessoas desadaptadas.



Santa Engrácia de Saragoça, virgem, mártir, +305
(16/04/2016)


Santa Engrácia de Saragoça, virgem e mártirEscreve assim Prudêncio, um poeta cristão dos séculos IV e V, sobre Santa Engrácia:

"E tu, virgem Engrácia, não é acaso no meio de nós que se conservam os troféus das tuas vitórias, tu cuja máscula coragem fez desvairar os ímpios furores para vergonha do espírito de malícia. Todos os nossos mártires disseram adeus à vida; mas tu, sobrevivendo à tua própria morte, vives ainda na terra, a nossa pátria conserva-te ainda. Os teus membros, pelas suas cicatrizes, testemunham a série de suplícios que suportaste; mostram a que profundidade foram cravados os sulcos das unhas de ferro. (...) Foste como o troféu duma espécie nova de que fez Cristo dádiva à nossa Saragoça; pela tua pessoa quis Ele fazer da nossa cidade a estância dum martírio contínuo".

A sua partida para o Paraíso deu-se pelo ano de 305.

VG



Santa Bernadette, vidente de Lourdes, +1879
(16/04/2016)


Santa Bernadette Soubirous

Filha de um pobre moleiro chamado Francisco Soubirous e de Luísa Castèrot, Bernadette nasceu em 1844 e foi a primeira de nove filhos. Na sua infância trabalhou como pastora e criada doméstica. O pai esteve preso sob a acusação de furto de farinha, contudo foi absolvido.

Durante os dez primeiros anos viveu no moinho de Boly (onde nasceu). Depois, passando por graves dificuldades financeiras, a família muda-se para Lourdes onde vive em condições de miséria, morando no prédio da antiga cadeia municipal que fora abandonado pouco tempo antes. Apesar de parecer insalubre, moravam no andar superior do edifício, o do primo de Francisco Soubirous, pai de Bernadette, junto à sua mulher e seus filhos. Era um buraco infecto e sombrio, a divisão inabitável da antiga prisão abandonada por causa da insalubridade.

Desde pequena, Bernadete teve a saúde debilitada devido à extrema pobreza de sua habitação. Nos primeiros anos de vida foi acometida pela cólera, o que a deixou extremamente enfraquecida. Em seguida, por causa também do clima frio no inverno, adquiriu aos dez anos uma asma. Tinha dificuldades de aprendizagem  na catequese, o que fez com que a sua primeira comunhão fosse atrasada. Não pôde freqüentar a escola e até os quatorze anos mantém-se estritamente analfabeta.

Em Lourdes, uma cidade com população em torno de quatro mil habitantes, no dia 11 de fevereiro de 1858, Bernadete disse ter visto uma aparição de Nosssa Senhora numa gruta denominada "massabielle", o que significa, no dialeto birgudão local - "pedra velha" ou "rocha velha" - junto à margem do rio Gave, aparição que de outra vez se lhe apresentou como sendo a "Imaculada Conceição", segundo o seu relato.

Enquanto o assunto era submetido ao exame da hierarquia eclesiástica que se comportava com cética prudência, curas cientificamente inexplicáveis foram verificadas na gruta de "massabielle". Em 25 de fevereiro de 1858, na presença de uma multidão, por ocasião de uma das suas visões, surgiu sob as mãos de Bernadete uma fonte que jorra água até os dias de hoje no volume de cinco mil litros por dia.

De acordo com o pároco da cidade, padre Dominique, que bem a conhecia, era impossível que Bernadete soubesse ou pudesse ter o conhecimento do que significava o dogma da "Imaculada Conceição", então recentemente promulgado pelo Papa. Afirmou ter tido dezoito visões da Virgem Maria no mesmo local entre 11 de fevereiro e 16 de julho de 1858.

Afirmou e defendeu a autenticidade das aparições com um denodo e uma firmeza incomuns para uma adolescente da sua idade com o seu temperamento humilde e obediente, nível de instrução e nível sócio-econômico, contra a opinião geral de todos na localidade: sua família, o clero e autoridades públicas. Pelas autoridades civis foi submetida a métodos de interrogatórios, constrangimentos e intimidações que seriam inadmissíveis nos dias de hoje. Não obstante, nunca vacilou em afirmar com toda a convicção a autenticidade das aparições, o que fez até a sua morte.

Para fugir à curiosidade geral, Bernadete refugiou-se como "pensionista indigente" no hospítal das Irmãs da Caridade de Nevers em Lourdes (1860). Ali recebe instrução e, em 1861, faz de próprio punho o primeiro relato escrito das aparições. No dia 18 de janeiro de 1862, Monsenhor Bertrand Sévère Laurence, Bispo de Tarbes, reconhece pública e oficialmente a realidade do fato das aparições.

Em julho de 1866 Bernadette inicia o seu noviciado no convento de Saint-Gildard e, em 30 de outubro de 1867, faz a profissão de religiosa da Congregação das Irmãs da Caridade de Nevers. Dedicou-se à enfermagem até ser imobilizada, em 1878, pela doença que lhe causou a morte.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bernadette_Soubirous







S. Bento José Labre, peregrino, +1783
(16/04/2017)


S. Bento José Labre

Filho de um camponês do Artois (França), Bento nasceu em 1748, sendo o mais velho de 15 filhos, e, aparentemente, fracassou em tudo o que desejava. Apesar disso, conseguiu manter sempre a paz no seu coração.As portas fechavam-se diante dele, uma após outras, mas ele nunca desesperou. Recomeçava o seu caminho, dormindo onde calhava, vivendo do que lhe davam, continuando a procurar novos caminhos para atingir o seu Objectivo.Submisso a todos, primeiro a seus pais, depois, no seu apelo interior, aos responsáveis dos mosteiros a cujas portas batia, aos seus confessores, aos acontecimentos, à vontade de Deus que, continuamente, lhe ia mudando os caminhos, Bento continuou a avançar humildemente, silenciosamente.Sem dar nas vistas, atravessou a Europa com o seu saco e o seu crucifixo ao peito, percorrendo 30.000 quilómetros, pasando de mosteiro em mosteiro, de santuário em santuário, até se estabelecer em Roma, donde sairia várias vezes para ir até Loreto, antes de morrer no despojamento total.Deste modo, S. Bento José Labre, em pleno "século das luzes", pobre e desprendido de tudo e principalmente de si mesmo, considerado um peregrino ou mesmo como um mendigo entre tantos outros, sujo e cheio de parasitas, foi aclamado como santo quando morreu em Roma, com 35 anos.Bento Labre foi declarado "beato" em 1860 e "santo" em 1881. É o patrono dos deslocados e das pessoas desadaptadas.



Santa Engrácia de Saragoça, virgem, mártir, +305
(16/04/2017)


Santa Engrácia de Saragoça, virgem e mártir

Escreve assim Prudêncio, um poeta cristão dos séculos IV e V, sobre Santa Engrácia:

"E tu, virgem Engrácia, não é acaso no meio de nós que se conservam os troféus das tuas vitórias, tu cuja máscula coragem fez desvairar os ímpios furores para vergonha do espírito de malícia. Todos os nossos mártires disseram adeus à vida; mas tu, sobrevivendo à tua própria morte, vives ainda na terra, a nossa pátria conserva-te ainda. Os teus membros, pelas suas cicatrizes, testemunham a série de suplícios que suportaste; mostram a que profundidade foram cravados os sulcos das unhas de ferro. (...) Foste como o troféu duma espécie nova de que fez Cristo dádiva à nossa Saragoça; pela tua pessoa quis Ele fazer da nossa cidade a estância dum martírio contínuo".

A sua partida para o Paraíso deu-se pelo ano de 305.

VG






Santa Bernadette, vidente de Lourdes, +1879
(16/04/2017)


Santa Bernadette Soubirous

Filha de um pobre moleiro chamado Francisco Soubirous e de Luísa Castèrot, Bernadette nasceu em 1844 e foi a primeira de nove filhos. Na sua infância trabalhou como pastora e criada doméstica. O pai esteve preso sob a acusação de furto de farinha, contudo foi absolvido.

Durante os dez primeiros anos viveu no moinho de Boly (onde nasceu). Depois, passando por graves dificuldades financeiras, a família muda-se para Lourdes onde vive em condições de miséria, morando no prédio da antiga cadeia municipal que fora abandonado pouco tempo antes. Apesar de parecer insalubre, moravam no andar superior do edifício, o do primo de Francisco Soubirous, pai de Bernadette, junto à sua mulher e seus filhos. Era um buraco infecto e sombrio, a divisão inabitável da antiga prisão abandonada por causa da insalubridade.

Desde pequena, Bernadete teve a saúde debilitada devido à extrema pobreza de sua habitação. Nos primeiros anos de vida foi acometida pela cólera, o que a deixou extremamente enfraquecida. Em seguida, por causa também do clima frio no inverno, adquiriu aos dez anos uma asma. Tinha dificuldades de aprendizagem  na catequese, o que fez com que a sua primeira comunhão fosse atrasada. Não pôde freqüentar a escola e até os quatorze anos mantém-se estritamente analfabeta.

Em Lourdes, uma cidade com população em torno de quatro mil habitantes, no dia 11 de fevereiro de 1858, Bernadete disse ter visto uma aparição de Nosssa Senhora numa gruta denominada "massabielle", o que significa, no dialeto birgudão local - "pedra velha" ou "rocha velha" - junto à margem do rio Gave, aparição que de outra vez se lhe apresentou como sendo a "Imaculada Conceição", segundo o seu relato.

Enquanto o assunto era submetido ao exame da hierarquia eclesiástica que se comportava com cética prudência, curas cientificamente inexplicáveis foram verificadas na gruta de "massabielle". Em 25 de fevereiro de 1858, na presença de uma multidão, por ocasião de uma das suas visões, surgiu sob as mãos de Bernadete uma fonte que jorra água até os dias de hoje no volume de cinco mil litros por dia.

De acordo com o pároco da cidade, padre Dominique, que bem a conhecia, era impossível que Bernadete soubesse ou pudesse ter o conhecimento do que significava o dogma da "Imaculada Conceição", então recentemente promulgado pelo Papa. Afirmou ter tido dezoito visões da Virgem Maria no mesmo local entre 11 de fevereiro e 16 de julho de 1858.

Afirmou e defendeu a autenticidade das aparições com um denodo e uma firmeza incomuns para uma adolescente da sua idade com o seu temperamento humilde e obediente, nível de instrução e nível sócio-econômico, contra a opinião geral de todos na localidade: sua família, o clero e autoridades públicas. Pelas autoridades civis foi submetida a métodos de interrogatórios, constrangimentos e intimidações que seriam inadmissíveis nos dias de hoje. Não obstante, nunca vacilou em afirmar com toda a convicção a autenticidade das aparições, o que fez até a sua morte.

Para fugir à curiosidade geral, Bernadete refugiou-se como "pensionista indigente" no hospítal das Irmãs da Caridade de Nevers em Lourdes (1860). Ali recebe instrução e, em 1861, faz de próprio punho o primeiro relato escrito das aparições. No dia 18 de janeiro de 1862, Monsenhor Bertrand Sévère Laurence, Bispo de Tarbes, reconhece pública e oficialmente a realidade do fato das aparições.

Em julho de 1866 Bernadette inicia o seu noviciado no convento de Saint-Gildard e, em 30 de outubro de 1867, faz a profissão de religiosa da Congregação das Irmãs da Caridade de Nevers. Dedicou-se à enfermagem até ser imobilizada, em 1878, pela doença que lhe causou a morte.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bernadette_Soubirous