PE PAULO VAZ: «A SITUAÇÃO DA FAMÍLIA EM CABO VERDE NOS INQUIETA E NOS PREOCUPA»

2019-04-26       Actualidade       Igreja  

  

O Vigário Geral da Diocese de Mindelo, Pe Paulo Vaz, numa recente entrevista ao Renascer-SV acerca dos preparativos da III Semana Teológica organizada pela Escola de Formação Teológica para Leigos, Diocese de Mindelo, e que decorrerá de 29 de Abril a 02 de Maio no Auditório Onésimo Silveira da Universidade do Mindelo, considerou que «a situação da família em Cabo Verde inquieta e preocupa a Igreja».

A III Semana Teológica organizada pela Diocese de Mindelo, este ano, tem como tema central o lema da Diocese de Mindelo “Família, um tesouro da humanidade” e tem como objectivo geral reflectir com a sociedade civil os problemas que afectam a sã convivência familiar e procurar soluções eficazes para estes mesmos problemas. É assim que Pe Paulo Vaz entende que a «a família é importante porque, sem ela, não a sociedade e nem Igreja».
O Director da Escola de Formação Teológica para Leigos entende que, infelizmente, continuamos a encontrar problemas que afectam a família cabo-verdiana, tais como, «famílias desestruturas, mães com filhos sem a presença do pai e pais com filhos sem a presença da mãe, emigração que continua a ser um flagelo para as famílias, pobreza, violência doméstica, etc», e, a Igreja quer, com a Semana Teológica, dialogar com a sociedade civil e procurar soluções para estes problemas e manter aquilo que é característico da família em Cabo Verde.
Para além desses problemas, Pe Paulo Vaz realçou que «estamos a vivenciar, por estes dias, a primeira moda de casamentos gays na ilha da Boa Vista, que é algo pouco cabo-verdiano». Vaz entende que a Igreja sempre mostrou o seu respeito e acolhimento para com as pessoas que têm inclinações homossexuais, mas respeito não significa aceitação: «A Igreja não pode desprezar, marginalizar e humilhar essas pessoas. O Magistério da Igreja nos convida a respeitar, mas o respeitar não quer dizer aceitar, porque não podemos aceitar algo que é antagónico com o princípio primeiro da criação. Deus nos criou homens e mulheres para formarmos uma só carne e dois homens ou duas mulheres ainda não formam uma só carne, dois homens ou duas mulheres não são convidados pela lei natural a unir-se».
O Vigário da Diocese de Mindelo é da opinião de que a Igreja respeita as escolhas homossexuais das pessoas, mas que as escolhas não sejam um imperialismo ditatorial sobre a sociedade civil e nem sobre a Igreja: «a Igreja não pode aceitar como legítimo que nos apresentem casamentos de dois géneros iguais como uma proposta ideal de vida. Sublinho, mais uma vez, que a Igreja respeita as escolhas das pessoas, mas que não obriguem a sociedade e a Igreja a aceitar o que é anormal para nós, para a nossa mente, para o nosso entendimento e para a nossa compreensão, porque em nenhuma parte do mundo isso é aceite como algo normal. Existem países que toleram, outros legitimam, mas Cabo Verde é Cabo Verde».
Pe Paulo Vaz adverte que «o movimento gay quer introduzir as suas ideologias com toda a força e pôr a Igreja como opositora das suas inclinações e escolhas» e adianta que de nenhuma maneira a Igreja poderá aceitar isso: «a Igreja respeita, não quer contribuir para a marginalização dessas pessoas, mas não pode aceitar aquilo que é contra o princípio claro da criação: união de dois opostos para formar uma só carne e contribuir com o Senhor no projecto criador. Entre dois homens ou duas mulheres não se dá a procriação e nem há ideal de família».
Recorda-se, mais uma vez, que a III Semana Teológica organizada pela Escola de Formação Teológica para Leigos, Diocese de Mindelo, decorrerá de 29 de Abril a 02 de Maio, no Auditório Onésimo Silveira da Universidade do Mindelo, e tem como pano de fundo o lema da Diocese de Mindelo para o Ano Pastoral 2018/19: “Família, um tesouro da humanidade”.



Notícias relacionadas