PAPA ENCONTRA DETENTOS NA AUDIÊNCIA GERAL E GANHA “TARALLI E PASTA” DE PRESENTE

2020-01-31       Actualidade       Papa Francisco  

  

Os ‘taralli’ são biscoitos típicos da Puglia, região sul da Itália. O grupo de dez presos, que participam de um projecto diocesano de Andria intitulado “Sem grades”, fez os produtos artesanalmente para presentar o Pontífice durante a Audiência Geral desta quarta-feira.

Na Audiência Geral da passada quarta-feira, 29 de Janeiro, o Papa Francisco cumprimentou um grupo de 11 detentos provenientes de cárceres da Puglia, região sul da Itália acompanhados do bispo de Andia, Dom Luigi Mansi. Segundo reporta a edição desta quinta-feira, 30 de Janeiro, do jornal vaticano L’Osservatore Romano, eles fazem parte de um projecto diocesano de reinserção social intitulado “Sem grades”.
A crônica do jornal ironicamente descreve que os presos compareceram à Sala Paulo VI, no Vaticano, “armados até os dentes com taralli e pasta”, referindo-se aos produtos que se realizam artesanalmente numa fazenda da cidade de Andria. 
Ao encontrar o Papa, o porta-voz dos presos, o senegalês Mateus, falou – num italiano impecável, inclusive com nuances do dialeto da Puglia – da importância da dignidade e da esperança. E também confessou: «Para Francisco preparei os melhores taralli e a melhor pasta! Eu fiz de tudo pra isso. Querem saber o porquê? O Papa repete sempre aos poderosos que ninguém deve ser descartado... Sim! Jamais uma pessoa deve ser descartada».
Mateus, conta o jornal vaticano, é o nome escolhido pelo próprio jovem do Senegal no momento do baptismo na prisão, onde se converteu. O que poderia ser de mais simbólico num percurso de inclusão concreta de um imigrante que se torna ‘mestre em taralli’, uma especialidade ‘oficialmente inserida na lista dos produtos agroalimentares tradicionais italianos’?
Na Audiência Geral, junto ao grupo dos “Sem grades” estava também um exército de cem voluntários que trabalham no projecto que, inclusive já foi apresentado pessoalmente ao Papa 2 anos atrás, num encontro histórico. Naquela ocasião, sempre na Sala Paulo VI, dois presos doaram ao Pontífice a primeira garrafa com óleo extra virgem produzida por detentos que participam do projeto. Era fruto da primeira colheita de azeitonas dos oito hectares da fazenda. Agora junto ao óleo, vieram os taralli e a pasta: «o nosso projeto vai em frente com os factos», finalizou Mateus.

Fonte: Vatican News

 



Notícias relacionadas