Irmãs Orionitas em Festa de Profissão Perpéctua na Ribeira Grande

2017-08-05       Actualidade       Igreja  

  

Irmãs Orionitas em Festa de Profissão Perpéctua na Ribeira Grande - Santo Antão
No Passado Domingo, duas irmãs das Pequenas Irmãs Missionárias da Caridade (PIMC), a ir. Maria Filomena Silva e ir. Maria Vitória do Rosário Lopes, na Paróquia da Ribeira fizeram a sua solene Profissão Perpéctua. A Missa foi presidida pelo Bispo da Diocese, Dom Ildo Fortes e presentes estiveram os padres Bernardino e José Júlio, vários diáconos; religiosas orionitas e Filhas do Coração de Maria e fiéis de várias paróquias do Norte da Ilha. Do Brasil vieram a Provincial, a Irmã Priscila e a Conselheira, a Irmã Eva. O clima que se viveu durante todo o dia foi de muita alegria e gratidão.

As duas professas testemunham: 

São estas as palavras que nesse momento ecoam no mais profundo do nosso coração: gratidão a Deus pelo dom da vida e da vocação. Ao Deus da vida que nos chamou, para conhecê-lo, amá-lo, vivê-lo e servi-lo na construção do seu Reino. Vivemos um momento de graça na nossa província Nª Sª Aparecida, Brasil/Cabo Verde na nossa família religiosa das Pequenas Irmãs Missionárias da Caridade (PIMC) e também na Igreja de Jesus Cristo.  Durante a nossa caminhada tantas experiências foram boas e outras com dificuldades, mas todas nos fizeram crescer tanto na parte humana, como também, na espiritual e religiosa com muita fé e Confiança na Divina Providência.  Desde a nossa formação em Cabo Verde como também, na continuação no Brasil (na formação interna sobre o carisma, nas comunidades, nas pastorais, na convivência com o povo de Deus, na vivência dos votos) de cada realidade, cada pessoa, cada uma das irmãs, com o seu jeito de ser, tudo foi um aprendizado para crescermos na caminhada como religiosas. A vida religiosa é a história de sedução por Jesus e seu reino: o grande portador de sonhos, cujo Espírito alimenta nossos sonhos e o gemido da humanidade, é um paradigma de busca, de sede, de nostalgia, de comunhão do Reino.  Na nossa missão os desafios são muitos, porém a força que temos de Deus e a proteção de Maria, Mãe, Mestra e exemplo de entrega e o desejo ardente que temos de servir o Reino superam os desafios, ou melhor, as dificuldades.
Experimentamos a entrega que nos impulsiona a descer e colocar-nos a serviço; a sermos pão partilhado nas condições de vida dos mais desfavorecidos e excluídos, nos despojando à vontade de Deus, que nos pede a sermos consagradas livres para assumir o seu projeto com alegria, a exemplo de Jesus, que assumindo a nossa humanidade fez-se obediente à aspiração do Pai.
Estas são as palavras do nosso Pai Fundador que estão gravadas no nosso coração e que queremos partilhar com todos. Somos chamadas à santidade: eis a nossa vocação de realizar com todos os meios e energia, a exemplo do nosso Pai fundador e guiadas pela Providência de Deus, vivendo e nutrindo na mesa da Palavra e da Eucaristia e dos Sacramentos, e seguindo, docilmente, o Magistério da Igreja. São Luís Orione nos diz que devemos caminhar “com dois pés”: humildade e caridade sendo mães e servas dos pobres”
.... Agora iniciando uma nova etapa da nossa vida nos faz acreditar que vale a pena continuar e seguir em frente sendo aquilo que Deus nos pede. Podemos dizer que até aqui valeu a pena lutar pela vocação a qual Deus nos chamou e vale a pena continuar a nossa caminhada naquilo que acreditamos que Deus nos chamou a viver nessa família religiosa das Pequenas Irmãs Missionárias da Caridade.  Obrigada Deus, Obrigada a nossa família religiosa e a todos que fazem parte da nossa caminhada e da nossa história.


Notícias relacionadas