Ecumenismo: Papa e patriarca de Moscovo denunciam perseguições religiosas e terrorismo

2016-02-13       Actualidade       Papa Francisco  

  

Havana, 12 fev 2016 (Ecclesia) – Francisco e Cirilo unidos em defesa do Cristianismo em todo o mundo após encontro histórico em Cuba. O Papa e o patriarca ortodoxo de Moscovo assinaram hoje uma declaração conjunta, após o seu encontro inédito em Havana, manifestando preocupação com as perseguições religiosas e o terrorismo.

“O nosso olhar dirige-se, em primeiro lugar, para as regiões do mundo onde os cristãos são vítimas de perseguição. Em muitos países do Médio Oriente e do Norte de África, os nossos irmãos e irmãs em Cristo veem exterminadas as suas famílias, aldeias e cidades inteiras”, refere o texto, assinado por Francisco e Cirilo, na capital cubana.

Depois de os líderes da Igreja Católica e da Igreja Ortodoxa Russa se terem reunido pela primeira vez na história, durante cerca de duas horas, decorreu a assinatura desta declaração conjunta, na sala do protocolo do aeroporto internacional José Martí.

O Papa e o patriarca russo evocam as igrejas “barbaramente devastadas e saqueadas”, objetos sagrados profanados e monumentos destruídos.

“Na Síria, no Iraque e noutros países do Médio Oriente, constatamos, com amargura, o êxodo maciço dos cristãos da terra onde começou a espalhar-se a nossa fé e onde eles viveram, desde o tempo dos apóstolos, em conjunto com outras comunidades religiosas”, advertem.

Os dois responsáveis pedem uma “ação urgente” da comunidade internacional para prevenir nova expulsão dos cristãos do Médio Oriente.

“Ao levantar a voz em defesa dos cristãos perseguidos, queremos expressar a nossa compaixão pelas tribulações sofridas pelos fiéis doutras tradições religiosas, também eles vítimas da guerra civil, do caos e da violência terrorista”, prosseguem.

A declaração recorda que a violência na Síria e no Iraque já causou milhares de vítimas, “deixando milhões de pessoas sem casa nem meios de subsistência”.

Nesse sentido, exortam a comunidade internacional a “unir-se para pôr termo à violência e ao terrorismo” e contribuir para “um rápido restabelecimento da paz civil”, para além de garantir uma “ajuda humanitária em larga escala” às populações atingidas e aos refugiados nos países vizinhos.

A ameaça de uma nova guerra mundial está presente nas preocupações dos dois responsáveis, recomendando aos países envolvidos na luta contra o terrorismo que "atuem de maneira responsável e prudente".

"Exortamos todos os cristãos e todos os crentes em Deus a suplicarem, fervorosamente, ao Criador providente do mundo que proteja a sua criação da destruição e não permita uma nova guerra mundial", acrescentam.

O texto recorda a situação de dois líderes cristãos de Alepo, na Síria, Paulo e João Ibrahim, sequestrados no mês de abril de 2013, para pedir “a sua rápida libertação”.

"Curvamo-nos perante o martírio daqueles que, à custa da própria vida, testemunham a verdade do Evangelho, preferindo a morte à apostasia de Cristo", pode ler-se também.

Após a assinatura e perante os jornalistas, o Papa afirmou que ele e Cirilo falaram “como irmãos”.

“Temos o mesmo Batismo, somos bispos. Falamos das nossas Igrejas e concordamos que a unidade se faz a caminhar. Falamos claramente, sem meias palavras. Confesso-lhes que senti a consolação do Espírito neste diálogo”, adiantou.

Francisco agradeceu a “humildade fraterna” do patriarca russo e os seus “bons desejos de unidade”.

“Saímos com uma série de iniciativas que penso serem viáveis e que se podem realizar”, acrescentou.

Agradeceu ainda aos colaboradores da Santa Sé e do Patriarcado de Moscovo que se empenharam na realização deste encontro.

Já Cirilo disse que o encontro privado de duas horas foi uma “discussão aberta” com a preocupação pelo “futuro do Cristianismo e o futuro da civilização humana”.

“Os resultados do diálogo permitem-me assegurar que atualmente as duas Igrejas podem cooperar conjuntamente, defendendo os cristãos em todo o mundo” e trabalhar para que “não haja guerra” e se respeite a vida humana.

Ortodoxos e católicos encontram-se divididos desde o Cisma do Oriente, em 1054, data em que trocaram excomunhões o Papa Leão IX e o patriarca de Constantinopla Miguel Cerulário; as excomunhões foram levantadas em 1965, mas as Igrejas não recuperaram ainda a unidade plena.

Francisco quis ainda agradecer a “Cuba, ao grande povo cubano e ao seu presidente”, Raúl Castro, por acolherem o encontro.

“Se continuar assim, Cuba será a capital da unidade”, precisou.

“Que tudo isto seja para glória de Deus Pai, Filho e Espírito Santo, para o bem do santo povo fiel de Deus, sob o manto da Santa Mãe de Deus”, concluiu, sob os aplausos dos presentes

O encontro encerrou-se com a apresentação das comitivas da Santa Sé e do Patriarcado de Moscovo.

Fonte: Agência Ecclesia

 



Notícias relacionadas

         Ordenação Diaconal do Francisco Évora (2019-10-07)
         MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO PARA O DIA MUNDIAL DO MIGRANTE E DO REFUGIA ... (2019-09-06)
         SEMINARISTA ESTAGIÁRIO, FRANCISCO BRITO, SERÁ ORDENADO EM OUTUBRO (2019-09-04)
         PAPA FRANCISCO CHEGA A MOÇAMBIQUE (2019-09-04)
         D. JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA, ARCEBISPO PORTUGUÊS NOMEADO CARDEAL PEL ... (2019-09-04)
         PAPA RECORDA INÍCIO DA II GUERRA MUNDIAL E CONVIDA A REZAR PELA PAZ (2019-08-28)
         PAPA FRANCISCO ASSINALA DIA INTERNACIONAL DA JUVENTUDE (2019-08-13)
         PAPA FRANCISCO DEIXA CONSELHOS PARA AS FÉRIAS (2019-08-07)
         PAPA FRANCISCO FAZ SURPRESA ÀS IRMÃS DA CARIDADE (2019-07-31)
         PAPA: A IMPORTÂNCIA DOS AVÓS NA TRANSMISSÃO DA FÉ E HUMANIDADE (2019-07-27)