Dia Mundial do Refugiado: Papa defende «responsabilidade e humanidade»

2018-06-22       Actualidade       Igreja  

  

O Papa Francisco associou-se à celebração do Dia Mundial do Refugiado, que aconteceu no passado dia 20 de Junho, defendendo «responsabilidade e humanidade» no acolhimento a quem deixa o seu país.

Assim pedia o Papa Francisco desde a janela do apartamento pontifício, após a recitação do ângelus: «desejo que os Estados envolvidos nestes processos cheguem a um entendimento, para assegurar, com responsabilidade e humanidade a assistência e a protecção a quem é forçado a deixar o seu próprio país». 
O pontífice sublinhou que o Dia Mundial do Refugiado, promovida anualmente pelas Nações Unidas a 20 de Junho, visa «chamar a atenção para o que vivem, muitas vezes com grande ansiedade e sofrimento, homens e mulheres, obrigados a fugir da sua terra, por causa de conflitos e perseguições».
Este ano, precisou, a celebração «chega no meio de consultas entre governos para a adopção de um Pacto Mundial para os refugiados», bem como um Pacto para a Migração segura, ordenada e regular.
«Cada um de nós é chamado a estar próximo dos refugiados, a encontrar com eles momentos de encontro, a valorizar o seu contributo, para que também eles se possam inserir melhor nas comunidades que o recebem», acrescentou.
Segundo Papa, neste encontro e neste «apoio recíproco» está a «solução para muitos problemas».
A confederação internacional da Cáritas promove até 24 de Junho uma campanha de sensibilização em favor dos migrantes e refugiados.
A «Semana Global de Acção» insere-se na iniciativa the Journey’ (partilhe a viagem), inaugurada pelo Papa em Setembro de 2017.



Notícias relacionadas