Visita à África: Viagem do Papa será cercada de medidas de segurança extremas

2015-11-25       Actualidade       Papa Francisco  

  

As forças de segurança de Quênia, Uganda e República Centro-Africana, países abalados pela violência, finalizam as medidas de segurança para a visita de alto risco de cinco dias do Papa Francisco, que começa nesta quarta-feira.

Quênia e Uganda, que integram a AMISOM (Força da União Africana na Somália), são alvos dos islamitas somalis shebab, aliados da Al-Qaeda.

Os governos dos dois países anunciaram a mobilização de quase 10.000 policiais em Nairóbi e Kampala, as capitais, cidades nas quais o pontífice celebrará grandes missas ao ar livre.

"Adotamos todos os dispositivos de segurança, que serão aplicados a partir de sua chegada", disse o chefe de polícia do Quênia, Joseph Boinett.

"Envolvem as estradas por onde circulará e os locais de visita e alojamento", completou.

Mais de 400 pessoas morreram nos atentados executados pelos shebab no Quênia desde setembro de 2013, quando aconteceu o ataque contra o shopping Westgate de Nairóbi, que deixou 67 mortos.

Mais de 100 pessoas morreram em vários ataques contra localidades da costa e 148 foram assassinadas por um comando na Universidade de Garissa (leste) em abril de 2015.

Em alguns casos, os criminosos liberaram os muçulmanos e mataram apenas os não muçulmanos.

Em Uganda, dois atentados mataram 76 pessoas em um restaurante e um bar de Kampala durante a final da Copa do Mundo de 2010.

A ONU anunciou que 300 capacetes azuis baseados na Costa do Marfim serão enviados à República Centro-Africana para apoiar os 12.000 integrantes da MINUSCA (Missão das Nações Unidas na República Centro-Africana), responsáveis pela segurança durante a visita papal.

A República Centro-Africana, que terá eleições no fim de dezembro, está em guerra civil desde 2013, um conflito que opõe cristãos e muçulmanos.

A segurança continua sendo precária, sobretudo na capital Bangui, onde Francisco deve realizar uma visita de 24 horas e que, de acordo com as circunstâncias, pode ser cancelada.

"Veremos, em função da situação no local, se a viagem a Bangui será mantida", declarou recentemente o cardeal Pietro Parolin, número dois do Vaticano.

A França alertou que a visita seria "arriscada" e que os 900 soldados franceses presentes no país não teriam condições de garantir a segurança do papa.

No Quênia, o momento de maior risco será a visita do pontífice ao subúrbio de Kangemi, ao noroeste de Nairóbi, onde 200.000 pessoas moram em condições de miséria.

"Ao contrário da visita de Barack Obama (em julho), durante a qual o governo pediu aos quenianos que permanecessem em casa, estimulamos os quenianos a viajar até a cidade para receber o papa e participar na missa", disse o porta-voz do governo, Manoah Esipisu.

"Esperamos que 10% dos católicos quenianos, ou seja, quase 1,4 milhão de pessoas procedentes de todo o país, assistam à missa de Nairóbi", disse o coordenador da visita papal, monsenhor Alfred Rotich.

As autoridades ugandesas calculam que 100.000 pessoas comparecerão ao Parque da Independência de Kololo, em Kampala, para ouvir o papa Francisco.

Fonte: SWI Swissinfo.ch

 



Notícias relacionadas

         Número de Católicos cresce no mundo, com impulso de África (2018-06-16)
         Papa Francisco escreve Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate ... (2018-04-07)
         Francisco visita Bento XVI para felicitações de Páscoa (2018-03-29)
         Papa Francisco escreve mensagem para Quaresma 2018 (2018-02-09)
         Mensagem do Papa Francisco para a Quaresma 2018 (2018-02-09)
         VI Encontro do Conselho Permanente dos Bispos da África Ocidental (2018-01-29)
         Papa Francisco escreve a LII Mensagem por ocasião do Dia Mundial das  ... (2018-01-26)
         Juventude e Família na agenda do Papa Francisco para 2018 (2018-01-05)
         Patriarca de Lisboa, Dom Manuel Clemente, visita Diocese de Mindelo (2017-11-28)
         Trabalho infantil, alcoolismo e insegurança entre os problemas que os ... (2017-11-21)